Zenfone 2: o que vem na caixa?

Zen2_RedTrês da tarde desta terça-feira, toca o interfone. Era um motoboy com um novo brinquedo: o aguardado Zenfone 2. O aparelho só será lançado no Brasil no dia 20 de Agosto, mas a ASUS já está ocupada enviando unidades para a imprensa especializada no país todo, para que os jornalistas tenham bastante tempo para conhecer o produto. Que tal darmos uma olhadinha no que veio na caixa?

O Zenfone 2 que recebi é o ZE551ML, o modelo topo de linha, com os já famosos 4 GB de RAM, processador Intel Atom Quad-Core (Z3580) de 64 Bits a 2,3 GHz, 32 GB de memória interna, uma tela Full HD de 5.5″, câmera de 13 MP e suporte a 4G. Tem tudo o que se espera de um smartphone moderno, até NFC! :P.

Continue reading

Motorola anuncia novo Moto G e duas versões do Moto X

Moto G 2015A Motorola anunciou nesta terça-feira, num evento realizado simultâneamente em São Paulo, Nova Iorque e Londres, três novos smartphones. O Moto G chega à terceira geração mais poderoso e com um visual mais elegante, sem perder o preço “intermediário”. Já o Moto X se dividiu em dois: um modelo mais poderoso e com mais opções de personalização, chamado Moto X Style, e outro um pouco mais simples, mas com uma bateria significativamente maior, o Moto X Play.

Junto com os aparelhos também entra em operação no Brasil o Moto Maker, serviço da Motorola que permite que o consumidor “monte” seu próprio aparelho, escolhendo opções de design e hardware a seu gosto.

Todos os aparelhos tem quatro coisas em comum: são 4G, Dual SIM, tem um slot para cartões micro SD e rodam a mais recente versão do sistema operacional Android, a 5.1.1, “limpinha” como é costume da Motorola nos últimos anos, o que agrada muita gente. As poucas customizações (como alguns apps da Motorola e a interface da câmera) são úteis e não incomodam de forma alguma.

Continue reading

GTA III no Gametel

Estou brincando de transformar meu Motorola Atrix e um Gametel em um “console portátil” e experimentando vários jogos. Um que não funcionou “de cara”, pra minha decepção, é o GTA III. Felizmente o jogo tem suporte a teclado, e é possível configurar o Gametel para emular comandos de teclado. Basta saber a combinação certa pra cada “botão” do GTA III, que encontrei numa discussão no Orkut (quem diria, o Orkut sendo útil) e reproduzo abaixo.

Continue reading

Desbloqueando um HTC Touch Cruise

Recentemente comprei um HTC Touch Cruise (também conhecido como “Polaris” ou “Pola100”), um smartphone Windows Mobile 6.1 (sim, eu sei, “Bleargh!”), baratinho em uma venda de garagem na empresa. Não, não estou abandonando o Nexus S nem o Xperia Play. Comprei por um simples motivo: pra brincar de colocar o Android (2.2) nele.

Mas meu Cruise veio bloqueado para a operadora Vivo, então o primeiro passo é desbloquear o bichinho. Clientes da Vivo podem fazer isso online, basta entrar na área “Meu Vivo” do site e informar o IMEI, fabricante e modelo do aparelho para obter um código de desbloqueio. Mas eu não sou cliente Vivo, então não posso usar essa ferramenta. E como estou com preguiça de ir até uma loja da operadora, vou apelar para a “força bruta”.

Continue reading

O Motorola Xoom e o roteador Linksys

Na última quarta-feira (13/04) recebi um tablet Motorola Xoom para review. Gravei um unboxing, botei o bicho na rede Wi-Fi da empresa e comecei a fuçar pra me acostumar com o brinquedo. Nisso o colega Henrique Martin, do ZTOP, pergunta via GTalk se eu estava tendo problemas com o Xoom: a unidade ele recebeu não conseguia baixar nada do Market, apesar de navegar na web. Disse que não e continuei fuçando.

No fim do expediente resolvi trazer o Xoom pra casa. Conectei-o à minha rede doméstica e… BINGO! parou de baixar coisas do Market. Os downloads nunca iniciavam, e de quebra ele não conseguia mais fazer streaming de nenhum vídeo do YouTube, apesar de navegar sem problemas na web.

Conversando com o Henrique notei que ambos temos conexões à Internet via Virtua e ambos temos o mesmo modelo de roteador Wi-Fi: um Linksys WRT120n. Um problema de rede foi descartado, já que o YouTube funcionava em todas as máquinas da casa e o Market funcionava sem problemas nos smartphones. A culpa parecia ser de uma incompatibilidade do Xoom com os roteadores.

Chegamos a mandar os tablets de volta para a Motorola, mas os danados se comportaram bem durante os testes lá e ninguém chegou a um diagnóstico. Até que um comentário no ZTOP deu a pista: alguém teve problema parecido com um Galaxy Tab, e a solução foi fazer toda a configuração inicial do aparelho via 3G, para só depois mudar para Wi-Fi.

O Xoom que recebi não tem 3G, mas meu smartphone tem. Compartilhei a conexão dele com o Xoom, fiz a configuração inicial (inclusive a primeira atualização do Google Maps) via 3G compartilhado e só depois mudei para Wi-Fi. Bingo! Agora o danado navega, baixa apps e faz streaming do YouTube na rede doméstica sem problemas.

O que pode ter causado ou solucionado o problema eu não sei, já que do ponto de vista do Xoom tanto a rede doméstica quanto a conexão compartilhada no smartphone são conexões Wi-Fi. Mas resolveu, e fica a dica: se um tablet Android (seja Xoom, Galaxy Tab ou qualquer outro) encrencar com o Market, restaure a configuração de fábrica e faça o setup inicial via 3G. Deve resolver.

Navegando direito no Xoom

O browser do Motorola Xoom é MUITO bom, na minha opinião superior ao do iPad. É mais rápido, tem abas e ainda pode sincronizar favoritos com o Google Chrome no Desktop. Só tem UM problema MUITO chato. Ele insiste em se identificar para os sites como um smartphone, e as versões “mobile” destes ficam ridículas na tela enorme do tablet.

Felizmente, isso tem solução, embora ela esteja escondida: digite about:debug na barra de endereços do navegador do Xoom e dê Enter. Aparentemente nada vai acontecer. Então clique no botão Menu (canto superior direito da tela) e escolha Configurações e depois Depurar. Na lista de opções, clique em UAString e mude pra Desktop. Pronto! Se quiser, você pode fazer o navegador se identificar como um iPhone, iPad ou até mesmo um Nexus One com Froyo.

Cinco sistemas operacionais para seu netbook

Se eu tivesse que apontar qual a contribuição mais importante dos netbooks para o mundo da informática, diria que foi a diversificação do mercado de sistemas operacionais. Teoricamente eles são “PCs” como quaisquer outros, e rodam o mesmo software, mas características de hardware como o tamanho das telas, recursos de rede, tamanho das baterias, poder de processamento e espaço em disco disponível forçaram os desenvolvedores a fazer uma série de ajustes aos seus produtos.

O resultado foi uma explosão de sistemas operacionais para todos os gostos. A maioria dos netbooks vem com Windows de fábrica (XP ou 7, ultimamente), mas ele pode não ser a melhor opção para todos os usuários. Confira abaixo cinco sistemas operacionais “alternativos” que você pode usar para tirar o máximo de seu portátil. E o melhor, a maioria deles é gratuita!

Continue reading

Motorola MILESTONE: Primeiras impressões

Motorola MilestoneO Motorola MILESTONE foi lançado nesta manhã em São Paulo e já estou com um em mãos para um teste. Para quem não sabe, ele é a versão GSM do Motorola DROID (pode-se dizer que são gêmeos), e o primeiro smartphone Android 2.0 (e por enquanto o unico, se não me engano) a chegar ao mercado. Nos EUA o DROID, foi considerado o “Gadget do Ano” pela TIME. E aqui no BADCOFFEE? Seguem, abaixo, minhas primeiras impressões sobre o aparelho:

Specs impressionantes: Tela de 3.5 polegadas, multi-touch e com resolução de 854 x 480 pixels. Isso é superior à resolução do meu EeePC 701, em termos de pixels é 266% superior à do iPhone, e na prática significa que dá pra ver um site como a homepage do iG sem precisar de scroll lateral. Sensacional.

O processador é um ARM Cortex A8 de 550 MHZ. Aceleração 3D por hardware. 3G, Wi-Fi, Bluetooth, GPS e o que mais você puder imaginar, e um teclado QWERTY completo. Pelo que li de reviews no exterior, eu esperava que o MILESTONE fosse mais fino. Ele não é um tijolo, mas é só 2mm mais fin0 (e parece menos) que o DEXT.

Design: Quadradão, gera controvérsia. Tem gente que considera “clean” e “arrojado”, eu considero “anos 70”, não sei porque. Talvez pela combinação de preto com detalhes em dourado. Não existe uma mola (como no DEXT e N97) no mecanismo de abertura da tela, você precisa empurrar ela por todo o caminho com o dedão mesmo. O teclado plano é macio, mas não agradou do ponto de vista de usabilidade.

Câmera: 5 MP com autofoco, como no DEXT, mas com flash Dual LED. Eu não confio em “flash LED” de câmeras de celular, geralmente são fracos demais ou fortes demais. Testes em breve.

Sistema: Android 2.0 com todos os “goodies” a ele relacionados, entre eles busca universal, browser compatível com HTML 5, suporte nativo a servidores Exchange e uma cara nova no Android Market. Ainda não fiz um “lado a lado” dele com o Android 1.5 do DEXT.

QUENTE!: Pois é, assim como o DEXT ele esquenta. E no mesmo lugar, próximo ao SIM CARD (neste caso, logo abaixo da lente da câmera). Só que parece esquentar mais, depois de uma partida de 5 minutos de “Speed Forge” (um jogo de corrida clone de Wipeout) ele estava tão quente quando uma xícara de leite morno. Vou medir a temperatura exata depois.

Como sempre, os comentários estão abertos. Dúvidas?

Motorola DEXT: Primeiras impressões

Motorola DEXT

UPDATE: Post atualizado em 01/12/09 às 01:01, com informações sobre a tela e mais detalhes da autonomia de bateria

Desde a última sexta-feira estou usando um Motorola DEXT, o primeiro smartphone Android da Motorola, como meu smartphone no lugar do bom e velho Nokia N95. Usando e gostando muito, diga-se de passagem. Pretendo fazer um review detalhado dele em breve, mas por enquanto seguem aqui as primeiras impressões sobre o aparelho.

Design e Hardware: Não chama a atenção, o que não quer dizer q ue seja ruim. O corpo tem um tom “grafite” metálico, que a Motorola já usou em outros aparelhos como o RAZR2 V8. Ele é grandalhão, mas ainda assim um pouco mais fino que o N95. O teclado QWERTY integrado (com direcional!) tem teclas grandes e é confortável. O plugue P2 no topo permite o uso de seus fones de ouvido favoritos, e um único cabo micro USB serve tanto para conexão de dados quanto recarga da bateria interna.

A tela tem 3.1 polegadas com resolução de 320 x 480 pixels (mesma do iPhone) e é muito nítida e brilhante: eu a uso com o brilho a 25% e é mais do que suficiente. Não há problemas com ângulos de visão e o contraste é muito bom, o que a torna bastante adequada para assistir um filme, por exemplo. Sob a luz direta do sol ela perde muita legibilidade, como toda tela LCD.

Continue reading