MIUI ROM: Android com um toque de iOS

Há alguns dias desbloqueei meu Nexus S e comecei a experimentar ROMs com versões customizadas do sistema operacional Android. A primeira parada foi a popular CyanogenMod 7 (versão RC2), baseada no Android 2.3.3. Mas logo mudei de idéia quando soube que havia sido lançada uma versão beta da MIUI ROM.

A MIUI é uma ROM desenvolvida na China – também baseada no Android 2.3.3 – que se destaca por ter uma interface bastante diferente do Android padrão, que pode ser descrita como uma mistura do iOS da Apple com o sistema do Google. Não é uma “skin de iPhone” para Android, é uma mistura de conceitos das duas plataformas, com resultado bastante interessante.

Vejam a tela inicial (Launcher) por exemplo. Não há uma “gaveta” separada com os aplicativos: os ícones estão sempre à vista como no iOS. E assim como no sistema da Apple eles podem ser organizados em pastas. Mas como no Android, é possível misturar ícones e widgets na mesma tela. E o sistema de pastas é mais robusto, com número ilimitado de ícones dentro de cada uma e uma opção de ocultá-los até que uma senha seja digitada.

O painel de notificação, no topo da tela, é outro local onde há mudanças visíveis. No MIUI são na verdade três painéis em um só. Notices traz os tradiconais alertas de novas mensagens, redes disponíveis, etc. Apps serve como gerenciador de tarefas, listando todos os aplicativos em execução, e Toggles tem “botões” que permitem ligar ou desligar vários recursos, entre eles Wi-Fi, dados em 3G, Bluetooth, rotação da tela, modo avião e até uma opção chamada “Torch”, que liga o flash LED da câmera para uso como uma potente lanterna.

A MIUI também é completamente personalizável. Um aplicativo chamado Theme Downloader permite baixar temas que mudam completamente a aparência da interface, e o Theme Manager permite fazer ajustes finos em cada tema instalado. Também há um utilitário para download de papéis de parede, e é possível definir imagens diferentes para a Lock Screen e para o Launcher.

Mais que um rostinho bonito

Mas as mudanças na MIUI vão além da aparência: há vários utilitários e recursos muito úteis que não são encontrados nas versões oficiais do Android. Entre eles um “Firewall” que permite definir quais aplicativos podem acessar a internet e como (só via Wi-Fi, só via 3G ou ambos). Há utilitários que fazem backup não só dos aplicativos instalados, como também de mensagens SMS, listas de contatos e histórico de chamadas. O backup pode até ser armazenado online.

Até mesmo coisas triviais como o gerenciador de arquivos tem um toque especial. Em vez de simplesmente mostrar listas de arquivos e pastas, como no popular Astro File Manager, o da MIUI por padrão mostra os arquivos divididos em categorias, como músicas, arquivos compactados ou aplicativos (APKs), com um sumário no rodapé da tela informando quanto do espaço no cartão de memória está ocupado e com o quê. E é possível fazer a troca de arquivos entre o PC e o smartphone via Wi-Fi, sem a necessidade de aplicativos extras pra isso.

Também há o incrivelmente útil DND Mode (algo como “modo não perturbe”) que funciona como um filtro de chamadas. Você pode configurar o aparelho para que depois do horário comercial só aceite chamadas de números específicos, como a família e amigos. Ou desligar automaticamente todas as chamadas de números desconhecidos (telemarketing, por exemplo)

Compatibilidade

Apesar de ter uma cara e recursos muito diferentes do Android “padrão”, não encontrei incompatibilidades com aplicativos desde que comecei a usar a MIUI. Tudo o que eu já tinha instalado funcionou normalmente, assim como novos programas que baixei do Android Market e até mesmo aplicativos instalados de fontes externas, como jogos da Gameloft. Para os aplicativos, a MIUI é um Android 2.3 como qualquer outro.

Em versões anteriores havia um problema com alguns aplicativos que apresentavam uma lista de arquivos (como o media player Rock Player), que aparecia com texto branco em fundo branco, ou seja, ilegível. Isso foi corrigido a partir da versão 1.3.25.

Nem tudo são flores

Nenhum software é perfeito, e a MIUI não é exceção. Encontrei alguns casos de utilitários da própria ROM (como o gerenciador de temas) que às vezes fechavam inesperadamente (Force Close). A ROM é originalmente em chinês, e é traduzida para o inglês por uma equipe baseada no site miui-dev.com. A tradução ainda não é completa, e texto em chinês pode ser visto em alguns pontos da interface. Felizmente isso não prejudica a usabilidade.

Por fim o principal problema de alguns usuários com a MIUI é fato de que o sofware é código-fechado e desenvolvido na China. Isso levanta questões quanto à confiança: quem garante que o software não está espionando suas chamadas e downloads via 3G, ou usando o hardware de seu aparelho para fins nefastos sem que você perceba? Por outro lado, não há nenhuma indicação de que isto está acontecendo, mas a pulga incomoda algumas pessoas.

Vale a pena?

Se você gosta de fuçar e quer experimentar algo novo em seu smartphone, recomendo a MIUI. Atualmente estão disponíveis versões para o Nexus S, Nexus One, Motorola DROID, Motorola Milestone, HTC Desire (versões CDMA e GSM), HTC Desire HD, HTC Evo e HTC Incredible. A versão mais atual no momento em que escrevo este artigo é a 1.3.25 (Beta 6), e novas versões são lançadas toda sexta-feira.

  • http://nuxlli.com.br Éverton

    Obrigado pela dica, consegui fazer a instalação no meu Nexus One também.

    De fato é uma grande alternativa ao Android oficial, uma das coisas que faltavam na versão oficial que me deixava puto era o suporte a proxy, e o MIUI tem esse suporte.

    Além do sistema em si ter ficado bom, as integrações e as aplicações adicionais são excelentes, uma simples galera on-line de baixar ringtones e wallpapers já faz alguma diferença.

    Vlw

  • Diego

    Muito legal o seu artigo. Possuo um HTC Desire e tou de olho em alguns ROMs já faz um tempo.

    Vc sabe se essa MUIU ROM permite vc configurar a LockScreen e colocar ali algum widget como TodoList ou Calendário ?

    Abs.

    • http://rigues.badcoffee.info Rafael Rigues

      Não permite configurar a lockscreen, mas mostra o número de chamadas não atendidas, mensagens não lidas e os controles do Media Player.

  • Pingback: MIUI ROM: Android com um toque de iOS « klebermota.eti.br()

  • Hamilton Colares

    Rigues,

    Parabéns pelo texto. Também tenho um NS e ando muito tentado a testar a MIUI. A versão que você pegou foi via XDA? Sua instalação foi com a ajuda do ROM Manager ou sem? Aplicar o patch de tradução para InglÊs foi simples? E root? Continuou sem problemas?
    Desculpe as várias perguntas, é que quero saber melhor antes de testar.
    Agradeço sua ajuda.

    Abrçs

    • http://rigues.badcoffee.info Rafael Rigues

      Hamilton, peguei a ROM no site oficial em http://www.miui-dev.com. A instalação foi sem o ROM Manager, manualmente (via ClockWorkMod Recovery). O procedimento para aplicar o patch de tradução é o mesmo para instalar a ROM, via Recovery, não tem segredo. E o root continua sem problemas.

  • http://www.google.com/profiles/narcelio Narcélio Filho

    Ficou muito bom, apesar do nome parecer com “MUITO RUIM”.

    #tudumpá

  • http://markytechs.wordpress.com Marcos Vasconcelos

    Interessante.
    Estou esperando sair a atualização 2.2 pro meu milestone, se eu não gostar vou ver se coloco essa versão.

  • http://netbeando.blogspot.com Jerônimo

    Já existe essa versão traduzida para pt-BR: http://code.google.com/p/miuibr/
    []’s

    • http://rigues.badcoffee.info Rafael Rigues

      Valeu pela dica! Mas pelo jeito a versão em português só está disponível para o HTC Desire e Milestone.