Não troque de smartphone antes de saber mais sobre o ASUS Zenfone 5

Não é segredo que a ASUS está entrando no mercado de smartphones no Brasil com seus aparelhos da família Zenfone. Lançados durante a CES deste ano, eles já são um sucesso de vendas na Índia (40 mil unidades em 4 dias!), um dos cinco mais vendidos na Rússia e saem como pãozinho quente em Taiwan e na Indonésia. O slogan da empresa para o aparelho é “Premium Luxury for Everyone” (algo como “Luxo e sofisticação para todos”), e não é um exagero: o danado é bonito e cheio de recursos legais. Como eu sei? Estou usando um desde meados de julho* e nesse tempo tive a chance de descobrir algumas coisas bem legais sobre ele.

Zenfone5_Black

Continue reading

[REVIEW] Nokia Lumia 1520 é um GRANDE smartphone

Quando lançou o Streak 5, em 2010, a Dell inadvertidamente criou um monstro. Com sua imensa (para a época) tela de 5” o aparelho foi o primeiro “phablet” Android, e levou a uma corrida armamentista entre os fabricantes, que lutam para ver quem consegue colocar a maior tela em um aparelho que ainda caiba no bolso da calça e faça chamadas.

Mas este era um fenômeno limitado aos smartphones Android até a Nokia (agora Microsoft Devices) lançar os Lumia 1320 e Lumia 1520, equipados com telas de 6 polegadas. Pense em um smartphone grande. Não, um pouco maior. Mais… isso! Esse é o Lumia 1520. Para ter uma idéia melhor, veja esta foto dele ao lado de um Motorola RAZR MAXX, que tem uma tela de 4.3”

Lumia1520_RAZRMAXX-1024px

Nokia Lumia 1520, comparado a um Motorola RAZR MAXX

Continue reading

PlayStation 4 vs. Sharp X68K

Sou só eu que acho o novo PlayStation 4 branco MUITO parecido com um modelo do Sharp X68K? Especialmente quando colocado na vertical. Comparem:

PS4_Branco-800px
O PlayStation 4 branco. Fonte: Engadget

Sharp_68K_AceHD-800px
Sharp X68K Ace HD. Fonte: IPSJ Computer Museum

Não me surpreenderia se houvesse alguma inspiração aí. O design original do PlayStation 2 era baseado, segundo a própria Sony, no Atari Falcon 030 Microbox. Saca só:

PS2_Falcon-400px
Fonte: Old-Computers.com 

Gamebox: o “irmãozão” do Dingoo A320

Já tinha ouvido falar sobre esse “console” chinês alguns meses atrás, mas só hoje tropecei em reviews e informações mais completas que a página do produto no DealExtreme. O “Gamebox” promete rodar jogos de MAME/CPS1/CPS2/CPS3/Neo-Geo (ou seja, todas as principais plataformas de arcade de 1990 até meados da década passada) na TV, com suporte a até quatro jogadores usando controles que parecem uma versão USB do DualShock do PlayStation. E o precinho é camarada, apenas 53 doletas, frete incluso.

20110330-005816.jpg

Infelizmente o negócio não é tão bom assim. Segundo reviews (mais impressões e vídeos neste fórum) os controles tem um conector que parece USB, mas na verdade é proprietário. E fora o que vem com o console não há controles avulsos à venda, então esqueça o multiplayer. Mas o prego no caixão é que apesar da entrada para cartões microSD o Gamebox só roda os 60 jogos inclusos na memória interna, e há problemas de temporização na emulação: alguns jogos rodam na velocidade correta, outros rápido demais.

O console é baseado em um processador Ingenic JZ4755 de 500 MHz e arquitetura MIPS, um “primo” dual-core do JZ4732 usado no Dingoo A320. Pelo menos isso significa que o hardware tem potencial, se conseguirem hackeá-lo e rodar um Linux nele. Já há esforços para isso, e curiosamente o Booboo, hacker espanhol que portou o Linux para o Dingoo, comentou recentemente em seu blog que encomendou um Gamebox. Há esperança.

CURIOSIDADE: O gabinete do Gamebox é uma cópia do gabinete do Zeebo, só que em preto. Acho que fica mesmo mais bonito assim.

Motorola MILESTONE: Primeiras impressões

Motorola MilestoneO Motorola MILESTONE foi lançado nesta manhã em São Paulo e já estou com um em mãos para um teste. Para quem não sabe, ele é a versão GSM do Motorola DROID (pode-se dizer que são gêmeos), e o primeiro smartphone Android 2.0 (e por enquanto o unico, se não me engano) a chegar ao mercado. Nos EUA o DROID, foi considerado o “Gadget do Ano” pela TIME. E aqui no BADCOFFEE? Seguem, abaixo, minhas primeiras impressões sobre o aparelho:

Specs impressionantes: Tela de 3.5 polegadas, multi-touch e com resolução de 854 x 480 pixels. Isso é superior à resolução do meu EeePC 701, em termos de pixels é 266% superior à do iPhone, e na prática significa que dá pra ver um site como a homepage do iG sem precisar de scroll lateral. Sensacional.

O processador é um ARM Cortex A8 de 550 MHZ. Aceleração 3D por hardware. 3G, Wi-Fi, Bluetooth, GPS e o que mais você puder imaginar, e um teclado QWERTY completo. Pelo que li de reviews no exterior, eu esperava que o MILESTONE fosse mais fino. Ele não é um tijolo, mas é só 2mm mais fin0 (e parece menos) que o DEXT.

Design: Quadradão, gera controvérsia. Tem gente que considera “clean” e “arrojado”, eu considero “anos 70”, não sei porque. Talvez pela combinação de preto com detalhes em dourado. Não existe uma mola (como no DEXT e N97) no mecanismo de abertura da tela, você precisa empurrar ela por todo o caminho com o dedão mesmo. O teclado plano é macio, mas não agradou do ponto de vista de usabilidade.

Câmera: 5 MP com autofoco, como no DEXT, mas com flash Dual LED. Eu não confio em “flash LED” de câmeras de celular, geralmente são fracos demais ou fortes demais. Testes em breve.

Sistema: Android 2.0 com todos os “goodies” a ele relacionados, entre eles busca universal, browser compatível com HTML 5, suporte nativo a servidores Exchange e uma cara nova no Android Market. Ainda não fiz um “lado a lado” dele com o Android 1.5 do DEXT.

QUENTE!: Pois é, assim como o DEXT ele esquenta. E no mesmo lugar, próximo ao SIM CARD (neste caso, logo abaixo da lente da câmera). Só que parece esquentar mais, depois de uma partida de 5 minutos de “Speed Forge” (um jogo de corrida clone de Wipeout) ele estava tão quente quando uma xícara de leite morno. Vou medir a temperatura exata depois.

Como sempre, os comentários estão abertos. Dúvidas?

E-commerce? Slow commerce!

Imagine a cena: você vai ao supermercado mais próximo da sua casa para fazer as compras do mês. Compara os preços, escolhe com cuidado, enche o carrinho, passa tudo pelo caixa e decide pagar no cartão de crédito. A atendente pega seu cartão, passa pela leitora, pede sua assinatura, olha pra sua cara e diz: “Pronto! Agora só precisamos esperar pela aprovação da operadora, que leva até dois dias. Depois entregamos na sua casa”.

Seria um absurdo, não? Um estabelecimento desses, que parece coisa de ficção, não duraria alguns meses no mercado. Mas sabe o que é mais absurdo? Tal estabelecimento existe e está “funcionando” faz tempo. É o Mercado Livre, e tive o desprazer de passar por tal experiência hoje.

Descobri que por motivos profissionais vou ter de lidar com duas linhas de telefone celular. Como não quero me desfazer da minha linha pessoal, nem sair por aí carregando dois aparelhos, muito menos gastar num aparelho Dual SIM, optei pela solução “jeitinho”: um adaptador Dual SIM que fica instalado entre os SIM Cards e o telefone celular. Você escolhe qual linha usar em um menu no próprio aparelho, e pode trocar entre elas “on the fly”, sem precisar desligar o telefone, tirar bateria, etc. Sim, só uma das linhas fica ativa por vez, mas pra mim é suficiente: a linha profissional vai ser usada para, no máximo, fazer chamadas curtas.

Procurando no Google, achei tal adaptador no Mercado Livre. Gostei do preço, resolvi pedir um com pagamento via cartão e dei de cara com o supremo exemplo de estupidez acima citado: uma empresa que tem a internet como seu principal negócio e que simplesmente não entende que a agilidade e a comodidade são o principal atrativo do e-commerce. É tão absurdo como uma pizzaria delivery que pede duas horas para entregar a pizza.

O mais triste é que, se eu não tivesse optado pela comodidade e caminhado até a agência bancária mais próxima na hora do almoço para fazer o depósito na conta do vendedor, o produto já estaria a caminho de casa: ele envia no mesmo dia para pedidos pagos até as 14:30. Agora, só depois de amanhã. Obrigado, Mercado Livre!

Maçãs, bandeirolas, pinguins e outros bichos

Andei fazendo algumas experiências com sistemas operacionais em netbooks nas últimas semanas, seguem os resultados:

Mac OS X 10.5.7: A mais recente atualização para o sistema operacional da Apple roda bem no Dell Mini 9. A instalação requer um certo cuidado: se você simplesmente atualizar via Software Update e reiniciar o micro, vai ter um sistema “quebrado”, sem vídeo e basicamente inútil. O segredo é reiniciar em modo de segurança (passando o parâmetro -x para o gerenciador de boot), reinstalar o DellEFI, reiniciar em modo de segurança novamente e instalar o DellEFI uma segunda vez. Não sei o porque da instalação dupla, mas funciona. Detalhes no fórum MyDellMini.

Windows 7: É verdade, o novo sistema da Microsoft roda bem em netbooks. O tempo de boot é de cerca de 22 segundos, o mesmo do Mac OS X, e o software ocupa cerca de 10 GB de espaço em disco. Foi necessário instalar alguns drivers (para o Modem 3G) e atualizar outros (leitor de cartões e touchpad) para deixar tudo redondo, mas novamente os fóruns do MyDellMini tem o caminho das pedras.

A autonomia de bateria é a mesma do OS X, mas quanto mais usava o Windows 7, mais tinha certeza de que ele foi feito para monitores de no mínimo 17 polegadas: há espaço “desperdiçado” demais nas janelas e menus e a tela do Mini acaba parecendo meio pequena. Mas pra quem gosta, é melhor que o Vista, e uma boa alternativa ao Windows XP.

Moblin 2.0 Beta: Estou francamente impressionado com o trabalho que o povo do projeto Moblin vem fazendo na interface de sua distribuição Linux. A versão 2.0 consegue ser inovadora, agradável e fácil de usar ao mesmo tempo, o que não é fácil de conseguir (vejam análise no Ars Technica). Infelizmente, uma incompatibilidade de hardware me impediu de fazer um review mais aprofundado até agora: o sistema não reconhece a interface de rede sem fio do Dell Mini 9.

Aproveitei a noite de domingo para fazer um teste num Sony Vaio P que estava “sobrando” na bancada. A boa notícia: rodou (e o Vaio P é simplesmente lindo). A má: rodou a passos de tartaruga, Windows Vista em um Pentium 2 com 128 MB de RAM é mais rápido. A diferença de desempenho não deveria ser tão grande assim, já que o processador é um Atom de 1.3 GHz (o do Dell Mini tem 1.6 GHz), então com certeza tem algo mais atrapalhando a jogada. Infelizmente não tenho tempo de pesquisar, o Vaio volta pra Sony amanhã. Ossos do ofício. Já disse que o Vaio P é lindo?

Vaio P e o Moblin

Outros bichos: Alguém pode me indicar um bom aspirador de pó? Os “Dust Bunnies” embaixo da bancada estão ficando grandes, gordos e abusados.

Bit

Mais um blog

“Caramba Rigues, três não são o bastante?”. Pois é, agora tenho mais um blog. É o blog oficial do iG Tecnologia, que já existia mas estava “parado” desde maio para uma migração para o WordPress (finalmente!). A idéia é usar a “nova casa” como um apoio para o canal de tecnologia, com comentários sobre as notícias, bastidores de eventos e afins, e continuar aqui com meus rants sobre tecnologia em geral. Vamos ver se dá certo.

O endereço é http://colunistas.ig.com.br/tecnologia. Vejo vocês lá!

O netbook da CCE

Durante o Coffee Break após a primeira “leva” de apresentações da tarde de hoje, meu amigo Mario Nagano, do Zumo, me chamou a atenção para uma máquina num cantinho de uma mesa, em exposição com outros produtos baseados em tecnologia Intel. A princípio achei que ele estava apontando para um “Wind Genérico” que eu já tinha visto mais cedo, mas fui olhar e me surpreendi.

Era sim um Netbook (com processador Atom, claro), mas da CCE, outra empresa que ainda não anunciou nada oficialmente neste segmento. Ao contrário do modelo da Intelbras este já estava “tropicalizado”, com teclado ABNT2. Infelizmente não pude conferir o sistema operacional, clock do processador, quantidade de RAM ou espaço em disco, já que a máquina estava sem a bateria.

Ainda não descobri de onde esta máquina veio. O código na etiqueta colada na parte de baixo diz J10IL1, e o termo não retornou resultados no Google. Existe uma máquina com nome similar da Pacific Computer (chamado IL-1), mas ela não é relacionada: curiosamente, ela é apenas outro nome para o que nós conhecemos como o atual Mobo.

UPDATE: Mais informações em breve, por enquanto fiquem com uma foto depois do clique

Continue reading

Quase lá…

Como vocês devem ter notado, o servidor continua instável. Já identifiquei a causa do problema (um bot maluco do Yahoo! saturando um dos domínios com milhares de pedidos de conexão) e estou resolvendo. Aos poucos, as coisas se assentam 🙂

Obrigado pela paciência.